quarta-feira, 22 de abril de 2009

O show tem que continuar

Quanto tempo demora pra se levantar de um tombo? Tempo o suficiente para você levar outro na mesma velocidade. É, estou um pouco revoltada com a minha vida amorosa.

Meus dois últimos namorados foram pessoas pacíficas, cordeirinhas, guti-guti - totalmente opostos a mim. É claro que durou, mas no fim acaba que nenhum relacionamento sobrevive à falta de afinidades e choque extremo de personalidades. Quando fiquei solteira de novo, fui meio que com o pé atrás, mas fui arrebatada por uma paixão violenta. Era paixão mesmo. Um mês de felicidade e quase mais um para decadência, quando, como todos aqui já sabem a história, o infeliz resolve voltar com a tal ex-noiva. Pobre Ruiva! Apaixonada, teve que se obrigar a esquecer the huge crush. Não havia nada que ela pudesse fazer.

Eis que quando me recupero e me ponho em pé de novo, olho as opções, me protejo dos ataques dos cafas que enventualmente surgem na minha tela e de repente, lá vem ele... Galopando num cavalo branco - ou melhor, com passinhos de xaxado&bossa nova - pra me enfeitiçar com seu jeitinho de bom moço e sorriso de menino. Não demorou para essa patinha cair nos encantos forrozísticos daquele sansei! Apesar da história parecer com a do "noivinho", os dois eram totalmente opostos. Um totalmente físico, passional, voraz, avassalador. O outro, de mansinho, no jeitinho, na "inocência", no respeito total. E quando eu tava quase dizendo a frase: "agora vaiii...!", BUM! Mais um tombo inesperado! Terei que esquecê-lo também? Quanto tempo vai levar?

Devo me atirar do *Pátio Brasil? Quando coloco os dois pés atrás e não me entrego por inteiro, arranjo namorados que fazem tudo por mim, que me veneram e me adoram, mas que não são capazes de me fazer felizes. Quando me jogo nos braços de uma nova paixão, sou enlouquecidamente feliz por uma fração de segundos e depois me ferro dia após dia. O que isso me diz sobre paixões? Sobre mulheres como eu? Sobre personalidades como a minha?

A grande verdade é que não há receitas para encontrar o Mr. Right. E apesar de estar um pouco cansada de tantos tombos e levantadas, vou ter que mais uma vez, enfrentar a tal da fossa e não, não poderei desistir do amor. Porque ele faz parte de mim.

Quem sabe um dia esbarro no "noivinho" todo bolo-fofo e com os olhos não mais azuis, mas sim vermelhos, de ficar acordado pelas crianças? Quem sabe um dia encontro o japonês-forrozeiro ainda solteiro e pronto para aprender outros ritmos de dança? (Ah, não me peça pra imaginá-lo com outra mulher, ainda não cheguei nessa fase!) O fato é que, meu coração dói, mas ele sabe que sem amor, não pode viver. Sem nenhum tipo de amor.

Ainda bem que tenho meus amores Babi, Kérow, Mari e Ivy! =)


* Shopping brasiliense em que há grande índice de suicídios

4 comentários:

Ivy disse...

hahahhahah
um post mais "estoy superando".acho ótimo.end of story para o sansei!

Babi Freitas disse...

Tamo nessa "junta", amiga!!

Vc sabe que comigo vc pode contar e move on!

Sempre aparece um novo avassalador pra gnt, sempre...

beijos
;)

DanyZinha disse...

O problema nem eh eles aparecerem, o prob eh eles nao ficarem! hehehe

I'll be there for you... 'cause you're there for me toooo....!

Kérow disse...

OWN amiga! Vc sabe que pode contar comigo rpa sempre e todo sempre! A intimidade de todos os dias da nossa faculdade faz com que a gente perceba mudanças de humor e SEMPRE estaremos ali rap ajudar QLQ que seja o caso. GAME OVER pro nosso jaspion rodopiante!