terça-feira, 14 de abril de 2009

Ain't recovering a bitch?

Antes de mais nada queria pedir para minhas caras amigas tradutoras que deixem esse giga post sendo o primeiro por alguns dias. Preciso ser ouvida, lida e entendida.
-------------------------------------------------------------------------------------------------
Hoje, especialmente, algo aconteceu. Bizarro, estranho e inesperado. Eu, Caroline sem pseudônimos, entrei em choque com uma simples frase LOVE IS NEVER FOREVER. A sábia pessoa que me mostrou isso não sabe o que causou. E de fato, não sabe MESMO.
A sentença me fez pensar. PENSAR e refletir o que anda acontecendo comigo nesses ultimos 3 meses nos quais eu tenho estado por mim mesma. Cheguei a conclusão de que está tudo fora de controle simplesmente pelo fato de eu ter me fechado contra mim mesma. O defunto e os maledetos 5 anos me fizeram mais mal do que eu realmente tinha calculado e eu naõ estava preparada para infrentar o que eu TINHA que ter infrentando antes. Agora, parei e pensei e disse SIM ao ficou pra trás e analisei cada coisa no seu devido tempo e lugar.
As vezes qas coisas não saem como esperado. Acontece que de uns dias pra cá ando esperançosa, pelos motivos os já citados aqui. Erro cruel da vida.
Descobri que os mais fortes caem mais dolorosamente do que aqueles que estão aocstumados a cair. Alegria de pobre dura pouco e a minha foi-se embora. Achava eu que sendo totalmente untouchable eu estaria me privando de certas coisas apesar de saber talblem que eu estaria perdendo tantas outras. Mas não foi assim. No último post declarei abertura dos portos. Me esperancei e me enxi de espectativas. Não . O erro acabou me deixando pior e me pegou de calças na mão e me deixando ansionsa. Pra que eu ainda não sabia.
Fiz besteira por isso e nem tentei consertar. Disse " se tu não tiver na vibe de levar isso pra frente pra ver no que dá, me avisa que eu caio fora". O recado foi dado pra pessoa errada, da maneira errada mas na hora certa. Não escondi sentimento, nada. Fui verdadeira depois de tanto tempo. Leia-se aqui CAROL, sendo ela mesma.
Fiz o que fiz por estar extremamente machucada e ferida pelo o que passou. Meu bloqueio não me deixou senti o que eu precisava sentir e encarar naquele momento. Guardei tudo para explodir depois. Péssima idéia.
Posso ter perdido tudo como posso ter não perdido nada. So descobri que eu PRECISVA ser impulsiva dessa forma pra qu poder me sentir mais sozinha comigo mesma. Livre de tudo e de qualquer cosia que pudesse prender meu pensamento naquela hora. O recado não era pra ele ...era pro DEFUNTO.Coitada da criatura musicista. Não posso fazer mais anda agora uma vez que eu ja acabei com toda e qualquer chance que eu tinha. OU não. No entanto, eu PRECISVA DISSO. Tive saudades, não de alguem, mas de ser amada por UM alguem, em especial, merecedora de todos os meus impulsos, pitits e palavroes, tanto quanto o meu amor, sinceridade e fidelidade a prova de fogo. Olha no qeu deu, olha o que eu fiz por sentir falta do MEU amor.... eu mesma e eu.
Cansei de procurar e tentar fazer acontecer. CHEGA! Não quero mais bjinhos e tchau. Quero alguem que queira o mesmo que eu. Que deixe o tempo ditar o ritmo sem precisar cair e sair de si. Sair de mim.
Volto a fechar as fronteiras e volto a dizer não para querer dizer sim. Quem sabe? Quem sabe tenha alguem, por ai, que realmente será aquele alguem? Taking my breath away e sendo tudo o que eu espero?
As vezes , essa pessoa que eu espero aparecer by chance, seja eu mesma. Preciso ficar comigo, sozinha. Sou complicada , e quem quer ter o trablaho de descomplicar? Fraqueza.
Não me recuperei dos 5 anos. CONCLUSÃO de hoje. Sinto falta de ter alguem pra ligar, para se importar, para amar e acreditar e frases feitas mas ditas de coração. Será cedo pra recomecar? Sinto falta dele agora. DEFUNTO. Não posso. Não devo. ME senti perdida, sem chão por entar sentido algo que não deveria. Não soube como agir.
As vezes ser o que eu realmente sou é sempre o melhor. Volto a ser a Carol de sempre, a qual nunca devia ter deixado a casa aberta. Hoje a fecho, tranco, pra somente deixá-la ver o sol quando EU me sentir Eu novamente para abrir a porta com os vidrais quebrados pelas pedradas e varrer o quintal de todas aquelas folhas murcahs e caídas. Darei adeus, enfim, para o que ja foi e direi para o que virá: come what may! Hit me!

3 comentários:

Babi Freitas disse...

Meu bem, eu te entendo! mas qnd eu vou poder postar mesmo???
hehehe

Zooooa!

Todo cuidado é pouco, lembre-se dessas palavras tão jeito babi de ser!
;)

Kérow disse...

pode postar minha gente
!"!!!!!!!

Ivy disse...

querida, a gente já conversou sobre isso.
fique forte mas não reprima o que está sentindo.
dê tempo ao tempo,sou a favor!
beijos