quarta-feira, 6 de maio de 2009

Conquistando território

Há mais ou menos um mês atrás, eu comentei com a Loira que na academia onde malho tem um professor que eu acho tão gato que eu tinha vergonha até de olhar para ele. Eu nunca cumprimentava, nem sorria, por pura vergonha. Ele devia me achar muito metida!

Até que o futebol nos uniu. Embora eu seja cruzeirense roxa e ele atleticano - arquivais, para os leigos (as) - este foi o assunto que iniciou nossa paquera sutil. Um dia fui malhar vestindo a camisa do meu time, ele resolveu me provocar e por aí foi... Há uma semana estamos flertando, nos conhecendo - tudo na sutileza. Por exemplo, o uso de frases do tipo: "Eu tenho 25 anos e você tem 22 né... aí...!" ou "Se você vier tomar sol semana que vem eu fico um pouco com você... se você não se importar, é claro...!" ou "Ah, então você foi pra Londres namorando... e você ainda namora?!"

Pois é. Observando o comportamento do Mr. Personal Trainer - let's put this way - comecei a refletir sobre a preparação do terreno. Achando que só eu fico em casa pensando em mil maneiras de puxar assunto com ele. Achando que isso é inerente à natureza feminina. Achando que um cara como esse não precisa disso. Mas não é que eles fazem o mesmo?

Percebo que às vezes ele fica me rondando enquanto eu estou puxando algum peso, olha, conversa com o aluno do lado, de repente ele chega out of nowhere e diz: "Mas você tem parentes em BH?" - isso por eu ser cruzeirense -, o que às vezes até me surpreende e eu tenho que caçar no meu banco de dados pessoal, uma razão para tal pergunta. E é claro que eu aproveito a deixa para esticar o assunto, mas é legal perceber que não sou a única preocupada em manter o contato direto.

Alguns gestos também podem ser observados aqui. O modo como ele faz questão de olhar ou nos meus olhos ou para minha boca enquanto falo. O modo como ele gosta de pegar no meu ombro - como se fizesse uma massagem - ou como faz questão de sempre pegar na minha mão e sorrir quando estou indo embora.

Aous poucos reconhecendo o território, checando as possibilidades e dificuldades. O jogo da conquista. Sempre batalhado dia após dia. Será que essa guerra terminará com a vitória dos interessados?

7 comentários:

Babi Freitas disse...

Acho que de todas as fases do relacionamento mulher x homem, acho que é essa a melhor, pq vc sabe que o cara tá afim, mas nao sabe o que dizer e como agir! Os friozinhhos e ansiedade!

É uma delíiiiiiiça! hehehehe

Let's enjoy it ;D

Kérow disse...

Cara... como ja disseram... a gente sempre ganha a primeira batalha as que vierem dps é lucro! se jgoa na primeira e pensa no resto dps!

Marcelo Pacote disse...

Mocinhas,

Que tal se vocês permitissem uma "invasão"?
Um post esporádico de um leitor assíduo. Que tal?

Nada de censura. Quero liberdade de expressão!!! Any comments?

DanyZinha disse...

Passando pelo nosso crivo antes... pode ser?

Mari disse...

um post masculino em território de tradutorAs?!
tem que rolar uma análise do conteúdo sim!!

Marcelo Pacote disse...

Que isso, mocinhas. A ditadura militar se foi! Abaixo à censura!

DanyZinha disse...

Meu bem, isso aqui não é o google! É um blog com diretrizes, regras e 5 proprietárias... ou seja, a nao ser que seja algo bastante pertinente e a ver com o assunto do blog, não vai rolaaar...! hehehehe