segunda-feira, 29 de outubro de 2012

A mulher-atenção

Nesse blog, temos uma tag chamada "espécie de homens catalogadas", mas na última balada que eu fui, percebi que estou perdendo tempo em também não catalogar certas espécies de mulher.

Eis que semana passada uma aluna minha me convidou para seu aniversário em um Pub da cidade. Às quintas-feiras eles fazem um karaoke com banda, aparentemente super legal.
Na verdade, eu nem queria ir, pois estava muito cansada, mas essa aluna me mandou mensagem no mesmo dia intimando minha presença e em consideração a ela, que gosto muito, fui assim mesmo. Mas claro, levei um amigo que adora karaoke para me acompanhar.

Chegando lá, meu amigo já conhecia metade do pessoal que estava lá, inclusive uma certa doninha que ele descreveu da seguinte forma:

- Essa mina é muito doida!

Quem não é, certo? Acontece que a garota é simplesmente fora do comum.

Ela é bonita, extrovertida, gosta de beber, de dançar, de cantar, de seduzir. Até aí tudo bem. Estava lá, super empolgada com as amigas, como uma mulher baladeira comum. Subiu no palco e cantou "You oughta know" da Alanis Morissette com uma voz não muito boa, mas com uma interpretação memorável - detalhe que ela usou dois microfones ao mesmo tempo, dando margem a inúmeras piadas sexuais. Eu dei risada e tudo certo.

A coisa começou a ficar preta quando meu amigo resolveu me abandonar e eu fiquei muito tempo analisando o comportamento dela.

Primeiro que ela dava mole para TODOS os homens que ela via. Sem sacanagem! Dançava se esfregando, se insinuava, falava ao pé do ouvido ou perto da boca, apertava os braços do cara, abraçava, etc. Vi até um cara com o qual uma amiga dela estava flertando, ser alvo de uma bela rebolada concentrada nos países baixos do rapaz.

Quando comentei com meu amigo sobre o fato, ele disse que ela tinha namorado. Quando eu chamei o pobre coitado de chifrudo, ele defendeu:

- Não, ela não é assim, não. Ela dá mole para todos e quando alguém chega, leva toco.

Fiquei pensando se aquilo deixava ela uma pessoa melhor ou pior, mas logo cheguei à conclusão de que meu amigo estava redondamente enganado: não demorou muito para que ela finalmente escolhesse um e agarrasse. Tudo bem também, se ela não tivesse continuado a se esfregar em quem passava, na frente do cara que estava pegando.

Depois, quando a banda deu intervalo, um DJ começou a tocar. Ela começou a dançar loucamente com as amigas. De novo, até aí tudo bem. Tem músicas que agitam a mulherada e uma delas chama-se "Girls just wanna have fun" da Cindy Lauper. Quando essa música tocou, a garota ficou insandecida e subiu no palco, pegou o microfone e começou a cantar junto com a música, gritando, a fim de chamar a atenção de todos a qualquer custo. E conseguiu! De repente, não mais que de repente estávamos todos assistindo àquela cena ridícula. Alguns achando engraçado; eu já tinha passado de "achar engraçado" para "total vergonha alheia". Quando menos esperávamos, subiram mais umas 10 malucas em cima do palco e ninguém mais conseguia curtir as músicas, porque elas ficavam cantando junto no microfone.

Havia uma noiva fazendo despedida de solteiro lá e logo ela começou a campanha do "NÃO CASA!", espalhando para todos que deveríamos repetir essa frase bem alto quando a noiva subisse no palco para cantar. Quando eu comentei com meu amigo que as encalhadas queriam que a noiva não se casasse, ele disse:

- Não, nada a ver, essas meninas podem dar para o cara que elas quiserem!
- Ué, eu também! Mas pergunta se tem um que levaria elas a sério?
- Não! É, você tem razão!

Me chamou de "amiga" e em um determinado momento só não caiu no chão de tão bêbada porque eu a amparei em meus braços e disse: "opa, não cai, não". Nisso, ela ficou me olhando uns 2 minutos fixamente como quem procurasse alguma coisa e depois sorriu e saiu cambaleando.

Até banho de champange eu, minha aluna e meu amigo tomamos. Aquilo estava totalmente fora do normal!

Oras, não sejamos hipócritas! Vira e mexe eu tô por aí bebaça, sou super extrovertida, adoro dançar e cantar. Chamar atenção?? Quem não gosta de chamar? Claro que gostamos! Mas como diria meu amado pai, "tudo demais é veneno". No fim da festa, eu já estava com pena daquela menina: para que TANTA necessidade de chamar atenção?

Eu acho que essas minas que parecem ter a maior auto-estima do mundo, são as mais inseguras! É o tipo de mulher que todos olham e desejam bulinar, mas é a típica Bavária, a cerveja dos amigos. Todos pegam, todos compartilham e principalmente: todos zoam e falam mal dela quando se juntam. De verdade? Tenho pena de gente assim. Quer chamar atenção a todo custo, mas da pior forma possível. Quem nao é visto, não é lembrado - e essa aí com certeza jamais será esquecida. Só não sei se da forma como ela esperaria!

6 comentários:

João disse...

eu acho que quando ela caiu em cima de vc ela queria te pegar também heim dani... hahahaha :D

DanyZinha disse...

Hahahahaha pode ser né, johnny? Kkkkkkk

Anônimo disse...

São as meninas "carpe diem", as que piraram nesse mundo exibicionista e competitivo das mulheres. E isso se estende ao mundo virtual hein, nem vou comentar o facebook. São as mais internamente tristes e entediadas meninas que existem. olha ai: https://www.youtube.com/watch?v=vodPodgWh8E

Anônimo disse...

melhor esse: https://www.youtube.com/watch?v=Z6eWeMhbx_w

DanyZinha disse...

Ah eh, tem esse episódio de HIMYM q fala disso, mt bom. Mas a menina que eu vi era pior viu... hahahaha

Sharky JP disse...

A triste realidade da vida quotidiana embrulhada num lençol de máscaras, vazias e tristes...