terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Amizade e o sexo

Quando um amigo deixa de ser um amigo e se torna um peguete em potêncial? Qual a linha que divide a amizade da pegação? Não é a primeira vez que passo por isso e também é comum homens dizerem que sempre pegariam as suas amigas (as gatas, é claro!), que não há essa coisa de preservar a amizade, se houver a oportunidade eles vão querer pegar.

Transformar um amigo num peguete pode ser excessivamente perigoso, explico. Número um, o beijo pode ser um desastre e ser totalmente estranho para ambos. Número dois, o beijo pode ser maravilhoso e a amizade sumir pela atração, ou seja, você perdeu um amigo e ganhou um peguete, o último é bem mais de fácil perder que primeiro. Número três, se a situação não for previamente definida (pegação ou relação) alguém provavelmente vai se ferir na história, afinal são amigos se envolvendo sexualmente(/amorosamente), o envolvimento de afeto já existe. Número quatro, a amizade jamais será a mesma com ou sem parte ferida.

Quando essa cena me apareceu novamente pensei que não seria capaz de resistir (como não fui no passado), ele é um amigo querido, gente fina, temos inúmeras afinidades, ele é carinhoso e tem um perfume ótimo! Mas aí me dei conta: se a gente atravessar a linha tudo isso que eu acho encantador nele será um motivo de neura-feminina-pós-pegação-com-cara-legal... sim, pois todas temos essa coisa de pensar no que o cara achou de nós depois da pegação. Será que ele se divertiu comigo? Será que ele vai aparecer? Será que ele gostou tanto do beijo quanto eu? Será que ele viu minha celulite na perna?

Outro ponto crucial da amizade colorida: ficar com alguém que se conhece bem. O jogo de sedução não existe. O cara me viu chorar o ex- traumático durante meses, me viu amaldiçoar o mau-elemento por horas, conversamos sobre sexo (sem ficarmos excitados) durante um sorvete a tarde, ele me conta a primeira vez dele, eu conto a minha, falamos de relacionamentos passados e rimos de tudo. Não há o que esconder, afinal somos amigos. Defeitos completamente escancarados.

Decidi por não fazê-lo. A última investida me traz dores de cabeça até hoje, partes feridas, magoadas e até mesmo enganadas. Ele deve ter saído daqui sem entender nada, trocamos carinhos, conversamos ao pé do ouvido, abraços, beijos no cangote e xêro. Começar uma não-relação com alguém que se tem uma já relação. Impossível. Se houvesse uma atração fatal... mas aí não teriamos jamais sido amigos antes de tudo.

7 comentários:

DanyZinha disse...

Um dia sem falar com vc e um mundo de coisas acontecem!
Esse negocio ai eh um perigo.... vc ja comprovou isso! Nao somos capazes...! NAo o faça! jhehehehe
Kd as outras escritoras desse blog?!

Bjos!

Babi Freitas disse...

Acho que nós estamos nos escrendo, Dany!

Vc para mim e eu pra vc...hehehe

beijos
;)

Kérow disse...

tô louccca pra atravessar essa linha! hehehehehehee

Sr. Sete disse...

Acredite, não há nada mais fantástico que viver perigosamente uma não-relação pós relação sincera.

Tenho pensado muito nisso, apesar de que não levei minha vida para esse lado, nem permiti tal coisa.


Um texto assim, mostra que o pudor está presente de maneira constante e punitiva nas mentes de nós, BRASILEIROS.

Isso não é um apoio, é só um devaneio. Mas a vida tá aí, os amigos estão aí e as bocas dos amigos tmb.

Das cinco eu não posso falar, mas da autora digo: ÉS APAIXONADA E TUDO MAIS.

Sr. Sete tmb.

Mari disse...

Quem eh Sr. Sete??

Babi Freitas disse...

Meu Tio Gui queridíssimo!!!

nandinha_marcia disse...

porraaaaaaaaaa....
li ateh o final amiga...e gostei mto...
afff...
isso eh uma merda.
FATO!!!
mas eh dificil d controlar...
bjos!